Pesquisar neste blogue

PROPÓSITO

A CONEXÃO RÁPIDA, CRÍTICA, ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA.

O MUNDO E CONTROVÉRSIA.

A ARTE E A POESIA SOBRE A MESA.

A LIGAÇÃO A OUTROS BLOGUES.

PORTUGAL IMAGES:

PORTUGAL IMAGES:
ENTRER ... LA PORTE EST OUVERTE.

DUBITO ERGO COGITO ERGO SUM

DUBITO ERGO COGITO ERGO SUM
CLICAR NA IMAGEM

GUSTAVO ADOLFO BÉCQUER


Gustavo Adolfo Bécquer (Sevilla, 1836-Madrid, 1870) Poeta español. Hijo y hermano de pintores, quedó huérfano a los diez años y vivió su infancia y su adolescencia en Sevilla, donde estudió humanidades y pintura. Fue uno de los máximos exponentes de la literatura romántica.


Yo sé un himno gigante y extraño
que anuncia en la noche del alma una aurora,
y estas páginas son de ese himno
cadencias que el aire dilata en las sombras.

Yo quisiera escribirle, del hombre
domando el rebelde, mezquino idioma,
con palabras que fuesen a un tiempo
suspiros y risas, colores y notas.

Pero en vano es luchar, que no hay cifra
capaz de encerrarle; y apenas, ¡oh, hermosa!,
si, teniendo en mis manos las tuyas,
pudiera, al oído, cantártelo a solas.


¡No me admiró tu olvido!
Me admiró tu cariño mucho más,
porque lo que hay en mí que vale algo,
eso… ni lo pudiste sospechar.

CANSAÇO de Fernando Pessoa

ÁLVARO DE CAMPOS
Um supremíssimo cansaço.
O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço... 


DÚVIDA E CRENÇA


"A dúvida é um estado de insatisfação e inquietude do qual lutamos para nos desenvencilhar e passar para um estado de crença, ao passo que este é um estado calmo e satisfatório que não desejamos evitar ou transformar uma crença em outra coisa. Pelo contrário, nós agarramo-nos tenazmente não só ao acreditar, mas a acreditar precisamente naquilo em que acreditamos. Tanto a dúvida como a crença têm efeitos positivos sobre nós, ainda que bem distintos. A crença não nos faz agir prontamente, mas predispõe-nos a agir de uma certa maneira quando surge a ocasião. A dúvida é desprovida desse efeito activo, mas estimula-nos a investigar até que ela própria seja aniquilada. (...) A irritação da dúvida provoca uma luta para alcançar um estado de crença." 
Charles Peirce, in 'A Fixação da Crença'



Charles Sanders Peirce licenciou-se em ciências e doutorou-se em Química em Harvard. Ensinou filosofia nesta universidade e na Universidade Johns Hopkins. Foi o fundador do Pragmatismo e da ciência dos signos, a semiótica. Mais abrangente que a linguística, a qual se restringe ao estudo dos signos linguísticos, ou seja, do sistema sígnico da linguagem verbal, esta ciência tem por objecto qualquer sistema sígnico  que abrange as artes visuais: música; fotografia; cinema; culinária; vestuário; gestos; religião; ciência, etc.

A REPRESENTAÇÃO PELA IMAGEM.

I’M SINGING IN THE RAIN


PARA QUEM QUISER RECORDAR:

GENE KELLY - Eugene Curran foi um dançarino americano, actor, cantor, cineasta, produtor, e coreógrafo.  Kelly era conhecido pelo seu estilo de dança, enérgico e atlético.
Embora seja conhecido hoje pelas suas performances em Singin 'in the Rain e Um Americano em Paris , ele foi uma força dominante nos filmes musicais de Hollywood a partir de meados dos anos 40 até que os filmes musicais começaram a sair de moda durante a década dos anos 50.

GNÓSTICO OU AGNÓSTICO, IDEALISMO E MATERIALISMO


Gnose ou gnosis é substantivo do verbo gignósko, que significa conhecer. Para os gnósticos, gnose é conhecimento superior, interno, espiritual, iniciático. No grego clássico e no grego popular, koiné, o seu significado é semelhante ao da palavra epistéme.
Em filosofia, epistéme significa "conhecimento científico" em oposição a "opinião", enquanto gnosis significa conhecimento em oposição à "ignorância", chamada de agnóia.
Para os gnósticos a gnose é um conhecimento que brota do pensamento de forma misteriosa e intuitiva. É a busca do conhecimento, não o conhecimento intelectual, mas aquele que dá sentido à vida humana e que a torna plena de significado, porque permite o encontro do homem com a sua Essência Eterna.
O objecto do conhecimento da Gnose seria Deus, ou tudo o que deriva d'Ele. Para os seus seguidores, toda a Gnose parte da aceitação firme na existência de um Deus absolutamente transcendente, existência que não necessita ser demonstrada. "conhecer" significa ser e actuar, no conceito do possível ao ser humano, no âmbito do divino.
O termo "gnose" acabou por designar, nos tempos actuais, num conjunto de tradições que acreditam no aspecto espiritual do Universo e na possibilidade de redenção por meio de um conhecimento oculto. Podemos encontrar a mesma "Gnosis", como corrente de pensamento místico, em todas as grandes religiões e culturas: foi nos três primeiros séculos do cristianismo que ela teve o seu apogeu, sendo "a primeira forma de manifestação de um pensamento filosófico e teológico cristão", o chamado gnosticismo cristão.
Agnosticismo refere-se às bases filosóficas que foram assentes no século XVIII por Immanuel Kant e David Hume, que só no século XIX teriam um termo formulado. O seu autor foi o biólogo britânico Thomas Henry Huxley numa reunião da Sociedade Metafísica, em 1876. Ele definiu o agnóstico como alguém que acredita que a questão da existência, ou não, de um poder superior – Deus - não foi nem nunca será resolvida.



IDEALISMO E MATERIALISMO


O Idealismo é uma corrente filosófica que emergiu apenas com o advento da modernidade, uma vez que a posição central da subjectividade é fundamental. O seu oposto é o materialismo, termo formado a partir da palavra grega eidos, que significava inicialmente aparência, forma corporal, que com Platão passa a designar a forma espiritual. Este termo emprega-se em filosofia, em termos gerais, para designar todo aquele sistema filosófico que tenha como característica o facto de a realidade, externa ou interna, apontar para um arquétipo puramente ideal. Em termos restritos o idealismo é a identidade entre o pensamento e a realidade.
Doutrinas muito variadas quanto aos seus postulados e conclusões aparecem sob esta designação, por exemplo: o idealismo realista de Platão, para quem o mundo sensível não é senão a imagem obscura do mundo ideal, verdadeira fonte do conhecimento; o idealismo imaterialista de Berkeley, o bispo irlandês que, fazendo o mundo sensível subir ao mundo espiritual, afirmava que o nosso mundo é já espiritual; o idealismo transcendental de Kant, para quem o mundo dos fenómenos é conhecido graças às formas ideais que presidem e ordenam esse conhecimento; o idealismo absoluto de Hegel, que fez encarnar o mundo espiritual na Terra, ao identificar o racional com o real e este com aquele.
Ao longo da história da filosofia é possível encontrar vários momentos chave do idealismo: no século XVII com Descartes e o seu cogito ergo sum, Malebranche, Pascal, Espinosa e Leibniz; mas é mais recentemente que esta corrente prolifera, sob o impulso do idealismo alemão com Kant, Fichte, Schelling e Hegel, e depois o idealismo italiano com Giovanni Gentile, Benedetto Croce e Julius Evola; e o idealismo inglês e norte-americano com Francisco Huberto Bradley, John Mactaggart, William Torrey Harris e Josiah Royce.
Em Portugal, no século XX é possível encontrar esta corrente representada por Leonardo Coimbra e António Sérgio; este último na linha de Kant e o primeiro ao identificar o real com o pensamento, embora Leonardo Coimbra, pela originalidade do seu pensamento, não possa ser considerado estritamente um idealista, mas antes como ele próprio designa ao seu sistema: criacionista como, comparativamente, à corrente de pensamento do professor Agostinho da Silva.



O termo materialismo designa toda a doutrina ou concepção filosófica que, ao rejeitar a existência de um princípio espiritual, aponta a matéria como realidade ou substância primeira e última de qualquer ser ou fenómeno do Universo. Para o materialismo, a explicação do mundo e da totalidade do real encontra fundamentação na matéria.
Formulada na antiguidade clássica, a concepção materialista ganha relevo em diferentes enunciações doutrinárias ao longo do século XVI, sobretudo graças à observação da realidade, às experimentações e à crença na capacidade do homem.
Embora seja materialista toda a doutrina que afirma ser a matéria a única causa das coisas, há diferentes tipos de materialismo, sendo de destacar o materialismo histórico e o materialismo dialéctico.
Engels chamou materialismo histórico ao instrumento de interpretação da História proposto por Marx e que consiste em reconhecer aos factores económicos um peso preponderante na determinação dos acontecimentos históricos. Para Marx, a causa determinante de toda a realidade histórica e social fundamenta-se na sua estrutura económica.
Por materialismo dialéctico entende-se a concepção do mundo segundo a qual só existe uma realidade material que possui um carácter dialéctico, ou seja, as mudanças e movimentos resultam de uma luta de contrários inerente à própria matéria. Engels é o principal mentor do materialismo dialéctico, apoiando a sua doutrina nos princípios da dialéctica hegeliana, segundo a qual o progresso dá-se pela sucessão de três momentos - tese, antítese e síntese.
Enquanto o materialismo dialéctico se apresenta como fundamentação filosófica do materialismo histórico, este constitui a ciência da aplicação daquele aos fenómenos sociais.


CABARET (vídeo)


Liza Minnelli Maio, nascida a 12 Março de 1946 é uma actriz e cantora americana filha da cantora e actriz Judy Garland e do director de cinema Vincente Minnelli .
Já estabelecida como uma cantora de boite e actriz de teatro musical, ela atraiu elogios da crítica pelas suas performances dramáticas nos filmes The Cuckoo Estéril (1969) e Tell Me That You Love Me, Junie Moon (1970). 
Lisa Minnelli subiu ao estrelato internacional pela sua aparência como Sally Bowles na versão para o cinema (1972) da Broadway musical Cabaret, do qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz.



Liza Minnelli
UM SORRISO, UM OLHAR,
UM MOMENTO PARA RECORDAR.

A RODA DOS ENJEITADOS


As rodas eram cilindros giratórios com uma grande cavidade lateral que se colocavam junto às portarias dos conventos. As rodas existiam sobretudo nos mosteiros de clausura mas também em alguns conventos. Inicialmente serviam de meio de comunicação entre o interior e o exterior do convento sem o contacto pessoal. Na abertura lateral, eram colocados donativos ou objectos pelas pessoas que se encontravam no exterior do convento. Após a colocação do donativo, aquele que se encontrava no exterior tocava uma sineta e a irmã "rodeira", no interior do convento, aí fazia girar a roda, retirando de seguida os donativos aí colocados.
Mais tarde começaram a colocar crianças enjeitadas ou fruto de ligações "inconvenientes". Estes "filhos de ninguém" eram, muitas vezes, filhos de raparigas pobres, fruto de relações proibidas, ou mesmo crianças encontradas por eremitas que as recolhiam e as educavam até as colocarem na Roda. 
Por vezes as mães dos enjeitados deixavam algumas marcas identificativas: fitinhas, pequenos bordados com monogramas, medalhinhas, a fim de, um dia mais tarde, as poderem recuperar. Quando atingiam a idade de aprendizagem, as crianças eram transferidas para a Casa Pia, uma instituição de acolhimento que as educava e preparava para a vida adulta. 
De tanto ser usada, a roda acabou por se tornar legítima chegando a ser oficializada nos finais do século XVIII e a receber a designação de Roda dos Expostos ou dos Enjeitados. O intendente geral da Polícia do Reino, Pina Manique, reconheceu oficialmente a instituição da roda, com o objectivo de pôr fim aos infanticídios e acabar com o horroroso comércio ilegal de crianças. A “roda dos enjeitados” sempre esteve presente, mas regressa agora de uma forma indirecta, em resposta à onda de abandono de bebés, no século XXI e com a necessidade da legalização do aborto.

A REPÚBLICA DO MONTE ATHOS


A República do Monte Athos, em grego Άγιο Όρος, "Montanha Santa" mesmo pertencendo formalmente ao território da Grécia, onde mantém uma espécie de governador, é na verdade uma "entidade teocrática independente". Para entrar neste território é necessária uma permissão especial, não obstante a Grécia fazer parte da União Europeia e tenha abolido os controlos fronteiriços conforme o Tratado de Schengen.


O território desta pequena república está situado na península da Khalkidhikí, a 100 km a sudeste da cidade de Tessalónica e é habitado por cerca de 1500 monges ortodoxos distribuídos em vinte mosteiros principais. Cada um destes mosteiros elege o seu próprio superior e os representantes para a Santa Assembleia, que exerce o poder legislativo em todo Monte Athos.
A única forma de chegar ao Monte Athos é por barco, partindo da cidade de Ouranoupolis. Tratando-se de um território habitado por monges, só podem entrar homens e animais do sexo masculino.
Este pequeno enclave abriga preciosos tesouros artísticos: antigos manuscritos, ícones e afrescos pintados por ilustres representantes da pintura bizantina.


Desde as suas origens, a Montanha Santa hospedou místicos e mestres espirituais cujos escritos foram recolhidos no século XVIII numa célebre antologia, a Filocalia, um livro clássico da literatura católica ortodoxa que influenciou profundamente o mundo ortodoxo.


O CALENDÁRIO MAIA


O FIM DO CICLO: SEXTA FEIRA DO DIA 21 DE DEZEMBRO DE 2012;
QUINQUAGÉSIMA PRIMEIRA SEMANA DO ANO. Quinquagésima é o nome para o domingo antes de quarta feira de cinzas, referindo-se a 50 dias antes do dia de Páscoa.

AS ÚLTIMAS FOTOGRAFIAS DE MARILYN MONROE


Vida,
yo pertenezco a tus dos direcciones,
y con la fría escarcha existo más;
fuerte como la tela de la araña en el viento.
Yo soy la que más cuelga,
y, de alguna manera, permanezco.
Estos abalorios de sol tienen los colores
que he visto en cuadros. Vida, ah,
a ti te han engañado,
más frágil que la telaraña
-más delgada que ninguna-,
pero a pesar de todo lograba sujetarse
y resistir los vientos
y arder junto a los bailes de los fuegos.
Vida –que soy de ti, algunas veces,
las dos direcciones–,
acabo de algún modo siendo la que más cuelga,
a medida que tiran de mí tus direcciones. 
Marilyn Monroe
Versión en español de Ben Clark
Como eras bela Marilyn, hoje se fosses viva com 85 anos serias bela na mesma. Nunca serás esquecida...

As últimas fotografias tiradas a Marilyn Monroe, na suite 261 do Hotel Bel-Air, em Los Angeles, em 1962, ano em que faleceu, podem ser vistas na exposição “Marilyn Monroe” no Centro Cultural de Cascais, entre os dias 05 de Junho e 17 de Julho. 

O MOSTEIRO DE AROUCA


O Mosteiro de Arouca situa-se na freguesia e município do mesmo nome e foi erigido no século X. 
Da construção original apenas restam algumas pedras aproveitadas numa parede do actual edifício, este construído nos séculos XVII e XVIII.
De fundação pré-românica (século X), o Mosteiro recebeu Carta de Couto no século XII, momento que definiu o carácter de centralidade do cenóbio na vida política e administrativa da região. A sua importância revigorou-se com o padroado de D. Mafalda, filha de Sancho I e efémera rainha de Castela. Materialmente, foram muitas as dádivas do seu erário que transitaram para o domínio do convento e terá sido por sua vontade que a comunidade monástica adoptou a regra de São Bernardo, já no século XIII, sendo como mosteiro cisterciense da ala feminina que se registaram os principais passos da sua história.


IGREJA DAS CARMELITAS EM AVEIRO

A sucessão de D. João V é assegurada pelo seu filho D. José. A abundância de recursos mantém a política de esplendor e ostentação, graças aos diamantes e metais preciosos do Brasil, permitindo uma arquitectura de luxo, bem como programas decorativos modernos, seguindo o gosto da época. Apesar de ser uma época de esplendor, o Rococó em Portugal é marcado pela pior catástrofe natural do país e uma das piores acontecida na Europa o Terramoto de 1755. Na manhã do dia 1 de Novembro de 1755 a cidade de Lisboa ficou praticamente arrasada após um violento terramoto, seguido de um tsunami e, posteriormente, um gigantesco incêndio, matando milhares de pessoas. A parte central da cidade ficou arrasada, incluindo o palácio real, patriarcal, teatro de ópera e principais edifícios públicos. A tragédia chocou a Europa inteira.










http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/71150/