Pesquisar neste blogue

PROPÓSITO

A CONEXÃO RÁPIDA, CRÍTICA, ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA.

O MUNDO E CONTROVÉRSIA.

A ARTE E A POESIA SOBRE A MESA.

A LIGAÇÃO A OUTROS BLOGUES.

PORTUGAL IMAGES:

PORTUGAL IMAGES:
ENTRER ... LA PORTE EST OUVERTE.

DUBITO ERGO COGITO ERGO SUM

DUBITO ERGO COGITO ERGO SUM
CLICAR NA IMAGEM

JÚLIA A FILHA LEGIMA DE JÚLIO CÉSAR


Júlia Cesáris filha de Júlio César, produto do seu primeiro casamento com Cornélia Cinila, sua filha única legitima. Júlia estava prometida em casamento a Quinto Servílio Cepião Bruto ou Marcus Junius Brutus um dos principais assassinos de César e seu filho adoptivo. Bruto pertencia a uma família aristocrata, das mais antigas de Roma, os Júnios, era filho de Servília Juniae, uma conhecida patrícia romana da época, posteriormente amante de Júlio César, seu pai era Marcus Junius Brutus Major, o velho, foi tribuno da República e o fundador de Cápua, onde a sua família detinha extensas propriedades.
Quando do primeiro triunvirado (Júlio César, Pompeu e Crasso), para selar esta aliança, Júlia casou com Pompeu no ano 59 a.C., quando tinha cerca de vinte anos e Pompeu cinquenta, já com vários filhos adolescentes de anteriores casamentos, tornando-se ela a sua quarta esposa. Embora tenha sido um casamento forjado para selar um acordo, revelou-se feliz. Do que revelam os escritos do greco-romano Plutarco, Pompeu terá revelado incumprimento dos seus deveres por causa do amor reciproco com a sua jovem esposa.   
Nas eleições dos Edís em 55 a.C., Pompeo viu-se envolvido num tumulto, no Campo de Marte, uma zona da Roma Antiga de aproximadamente dois quilómetros, inicialmente externa aos confins citadinos, e mais tarde subdividida por Augusto em duas das suas 14 regiões: a VII via Lata, agora conhecida como a Via del Corso e a IX Circus Flaminius; ficando a sua toga manchada de sangue de outra pessoa, um de seus escravos foi buscar uma toga limpa, mas Júlia que estava grávida, ao ver a toga ensanguentada, julgando que ele estivesse morto, abortou o que teria fragilizado irreversivelmente o seu organismo. Júlia faleceu no ano seguinte, quando dava à luz uma filha, ou filho, segundo outras fontes, que faleceu, por sua vez, poucos dias depois do nascimento. A morte de Júlia foi uma catástrofe para o seu marido, para o seu pai, e até mesmo para Roma; em pouco tempo a aliança entre Pompeu e César desfez-se e iniciou-se uma guerra civil.
Júlia foi sepultada no Campo de Marte, tendo o seu pai ordenado um banquete e espectáculos de gladiadores no Circus Flaminius, em sua honra, um feito raro para uma mulher da Roma Antiga.

Sem comentários: